sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

O que são métodos de reprodução assistida?


Métodos de reprodução assistida são tratamentos médicos que envolvem técnicas para aumentar as chances de uma mulher ficar grávida.

***
Os métodos de reprodução assistida são técnicas utilizadas nos tratamentos médicos com o objetivo de ajudar mulheres a engravidar. Estes métodos são utilizados quando um casal não consegue ter filhos. A dificuldade de engravidar pode estar presente na mãe, no pai, ou em ambos. Somente um médico pode recomendar o melhor método de reprodução assistida para o casal, após cuidadosa avaliação. Para que uma mulher consiga ficar grávida, é preciso que ocorra a fertilização. Os métodos de reprodução assistida têm principalmente o objetivo de ajudar na fertilização, que é o encontro entre uma célula produzida pela mulher, chamada óvulo, e uma célula produzida pelo homem, chamada espermatozoide. Quando as duas se encontram, dão origem a um zigoto, que irá crescer e se desenvolver, até que se torne um feto e, depois, um bebê. As chances de sucesso da reprodução assistida dependem da idade da mulher, do número de ciclos (quantas vezes foi realizado o procedimento) e da causa da infertilidade do casal. Os principais métodos são: inseminação intrauterina, fertilização in vitro e injeção intracitoplasmática de esperma. A inseminação intrauterina pode ser realizada quando não se encontra uma explicação para a infertilidade do casal e os espermatozoides do homem são normais, ou quando a mulher apresenta alguma alteração que leve à morte dos espermatozoides. A inseminação intrauterina é feita obtendo-se o esperma do homem através da masturbação, e introduzindo esse esperma no útero da mulher através de um pequeno tubo. Os estudos mais recentes indicam que, na inseminação intrauterina em mulheres com menos de 40 anos que realizaram 6 ciclos, a cada 100 mulheres, mais de 50 conseguiram engravidar. A fertilização in vitro é um método utilizado quando as tubas uterinas (canais por onde passam os óvulos, espermatozoides e o zigoto) estão bloqueadas, impedindo a fertilização, ou quando há problemas na produção do óvulo, ou quando a infertilidade tem várias causas, ou ainda quando não foi possível descobrir seu motivo. Nesse método, os espermatozoides são obtidos através da masturbação e os óvulos são retirados da mulher através de uma pequena cirurgia. Em um laboratório, os óvulos e os espermatozoides são misturados em um recipiente e ficam lá por alguns dias, para que aconteça a fertilização fora do corpo da mulher. Após alguns dias, um ou mais zigotos que se formaram são introduzidos no útero da mulher com a ajuda de um pequeno tubo. Na fertilização in vitro, os estudos atuais mostram que a cada 100 mulheres que realizaram 6 ciclos, 65 conseguiram engravidar. A injeção intracitoplasmática de esperma é realizada em casos em que o espermatozoide não consegue penetrar no óvulo, ou quando o homem produz poucos espermatozoides. Nesse método, os óvulos e o esperma são obtidos da mesma forma que na fertilização in vitro e o espermatozoide é injetado dentro do óvulo. O zigoto formado é introduzido no útero da mulher. A cada 100 mulheres tratadas com a injeção intracitoplasmática de esperma, o número das que engravidaram variou entre 20 e 50, dependendo do problema apresentado pelo homem.

Referências: Dynamed [Internet]. Infertility: summary of treatments. Informação atualizada em 2015. Disponível em: http://psbe.ufrn.br/. Acesso em: 25 dez. 2016

Dynamed [Internet]. Treatment of infertility in women. Informação atualizada em 2016. Disponível em: http://psbe.ufrn.br/. Acesso em: 6 out. 2016

Dynamed [Internet]. Infertility in men. Informação atualizada em 2016. Disponível em: http://psbe.ufrn.br/. Acesso em: 06 out. 2016

Autor do resumo: Lenisa de Mello e Souza
Revisor do resumo: Prof. Dr. Fabio Carmona, Profa. Dra. Maria Cristiane Barbosa Galvão

Você achou esta informação útil? Clique AQUI para dar a sua opinião!