sexta-feira, 11 de novembro de 2016

O que fazer quando o bebê acorda muito à noite para mamar?


O bebê deve mamar até o esvaziamento de cada mama, pois é o leite do final da mamada que mata sua fome.

***
Quando um bebê mama no seio, a concentração de gordura no leite aumenta no decorrer da mamada. Assim, no início da mamada o leite é mais "aguado" e ajuda a "matar a sede" do bebê, enquanto o leite do final da mamada (também chamado de leite posterior) é mais rico em energia (calorias), ou seja, é o leite que "mata a fome" do bebê e o ajuda a ganhar peso. Quando o bebê está saciado, consegue ter períodos de sono mais prolongados. É por isto que é importante que o bebê mame bastante tempo na mesma mama antes de passar para a outra, garantindo assim que que ele receba este leite posterior, que é mais rico em energia e nutrientes. O bebê sem fome dorme melhor e mais tempo. Seguindo a recomendação do Ministério da Saúde, o aleitamento exclusivo (sem o uso de outros tipos de leite) deve permanecer até o sexto mês de vida, quando possível, e a amamentação (em conjunto com outros alimentos) deve ocorrer até dois anos de idade, ou mais. Outro fato importante e que deve ser levado em consideração para melhorar a saciedade da criança, além do esvaziamento completo de cada uma das mamas, é o fato de compreender a dinâmica do sono de uma criança. Desta forma, é importante ressaltar que, durante a infância, a criança vivencia constantes modificações no sono que refletem o grau de maturidade e desenvolvimento do seu sistema nervoso. Durante o primeiro mês de vida, o sono se dá em ciclos de 3 a 4 horas, independente de ser noite ou dia. Entre o primeiro e o quarto mês, o bebê vai se adaptando progressivamente à luz e fazendo um sono mais longo durante a noite. Em torno do 6º mês de vida, os períodos de sono já chegam a 6 horas, geralmente com dois períodos noturnos separados pelo despertar para mamar. A consolidação do sono noturno ocorre gradualmente a partir daí. Entre 2 e 3 anos, o sono noturno deve estar consolidado.

Referências: Access Medicine [Internet]. Conti, T.D. et al.  Breastfeeding & infant nutrition. In: South-Paul, Jeannette E. et al. Current diagnosis & treatment: family medicine. 4ed.  New York: McGraw-Hill, 2015. Disponível em: http://psbe.ufrn.br/
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília : MS, 2015. 184 p.

Autor do resumo: Cristina Camargo Dalri
Revisor do resumo: Prof. Dr. Fabio Carmona, Profa. Dra. Maria Cristiane Barbosa Galvão

Você achou esta informação útil? Clique AQUI para dar a sua opinião!